Tuesday, May 03, 2011

Notícias do mundo.

Querida Daphne.

Quando as coisas fogem do seu controle e você não tem mais nada a que se agarrar para fazer com que o mundo pareça ser um pouco seu, você começa a procurar soluções meio loucas. Dia desses eu pensei em descolorir o cabelo. Descolorir o cabelo não me levaria a nada, mas ao menos eu teria o controle sobre o meu cabelo. Parece besteira, mas controlar o cabelo, na situação em que me encontro hoje em dia seria mais poder do que matar o Osama Bin Laden.

Por falar nisso, não acredito que o Osama tenha morrido. O Saddam a gente viu ser enforcado, o Osama a gente só ouviu falar. Não sei. Acho que tá rolando alguma coisa ai por baixo.

(Daphne, não sei você, mas eu confundo Obama com Osama o tempo todo. Pensei até que tinham matado o negão, mas felizmente mataram o cara certo).

Uma coisa que eu percebi é que quanto mais desesperado você fica, mais você tenta racionalizar a situação e começa a pensar muito. Pensar muito nunca levou ninguém a nada. Veja bem, os grandes gênios ou eram loucos ou eram um pé no saco. Eu não me importo muito com a invenção da lâmpada e acho que todos os inventores devem ter sido bem egocêntricos.

Talvez o mundo acabe numa explosão de ego. Andei suspeitando que o ego das pessoas é o que está causando tantos terremotos. Será? No meu tempo (ah, como eu adoro dizer isso) as pessoas tinham que trabalhar duro e chegar em algum lugar para que pudessem se sentir tão importantes. Olhe, eu me sinto com quase 90 anos! Juro, eu não faço parte deste mundo!

( Daphne, você por um acaso sabe quem inventou a cerveja? Lembre-me de agradecê-lo pessoalmente quando eu morrer. Mas dizem que foi um egípcio, muito, muito antigamente. Cara esperto. Próxima vez que eu ficar bêbado me lembre de tirar uma foto de lado).

Tem gente que se sente melhor do que você por gostar de um tipo determinado de música, por ser magro, por ter dinheiro, por falar 7 idiomas, por não andar de ônibus, por saber o nome de todos os afluentes do rio Amazonas. Sinceramente, acho que todo mundo é uma grande bosta, mas até entendo. Ser uma grande bosta é tão triste que talvez a única solução seja ter um blog de moda e achar que isso é bom o bastante. Não sei. Ando confuso.

Bem. Precisamos urgentemente daqueles vestidos de noiva.
Lembre-se.

Beijos.

Dimitri Navarro.

1 comment:

hpaulista said...

Se a gente parar pra pensar, bosta, sendo grande ou pequena, pouca ou muita, é sempre bosta, então, todo mundo acaba sendo igual mesmo... E, como sempre, adorei o texto, claro.
abç