Monday, January 19, 2009

Sobre a morte.

Eu não queria tratar de um tema tão pesado, mas, a morte tem sido parte constante da minha vida desde o fim do ano passado. Tanto o acontecimento dela, quanto a espera dela [por parte de um ente muito querido, que está sofrendo muito, mas conta com o nosso amor].
Hoje em dia sempre que vou a um velório, não consigo evitar o pensamento: “quem será o próximo”? Eu começo a olhar aquelas tias velhas, aqueles tios barrigudos e aquelas pessoas que você simplesmente sabe que não tem como durar muito.
Minha vida hoje parece um filme do Almodóvar. Pelo menos todos os que eu vi tinham um enterro em algum momento com matronas espanholas andando lentamente em cemitérios e acredite; eu tenho muitas matronas na minha família.
Daí eu começo a pensar. Quando você teve oito filhos e todos eles estão juntos mais uma vez pra se despedir de você, não tem como você ficar triste. E quando você completou 82 anos super bem vividos, você percebe que a vida é como uma maratona. Você pode não ter completado a prova em 1º lugar. Mas você completou a prova, partiu a fitinha, jogou a água em cima de você e se ajoelhou. Ok! E daí que você chegou em 134º? Você chegou no tão esperado fim como um vitorioso!
E num momento completamente inesperado, eu nem sei porque, eu vi homens com roupas de gari carregarem o caixão com a minha avó dentro e eu percebi; nós somos seres tão ridiculamente pequenos que cabemos numa caixa. E essa caixa some, como aquela tesourinha de unha que você tanto precisa.
Daí o resto vocês já viram; ou não, eu por exemplo nunca tinha visto uma cerimônia de cremação antes. É bem menos feio do que um enterro, a gente não vê nada queimando, só vê o caixãozinho entrando numa câmara lentamente, indo embora e de repente o ex marido da matrona numero 3 resolve gritar vivas e eu percebo que estou em família.
A ultima coisa que eu percebi foi quando eu tive uma vontade desesperadora de fazer xixi. Caralho! A vida continua! Eu tomei um susto inesperado neste momento. Então você começa a ver como as pessoas mudaram, como aquele cara tem jeito de bicha, como você queria ir ali num cantinho e soltar um pum...
Eu ainda estou correndo, mantendo o meu ritmo, jogando garrafas de água em cima da minha cabeça como um poser. Eu tenho um buxinho e pernas finas, mas continuo correndo e hoje; hoje eu sei que tenho que chegar até a linha de chegada. Se eu tiver sorte, eu farei uma prova tão boa quanto a minha avó fez.

8 comments:

Jarbas said...

mortes são sempre chatas e eu em velórios fico no grupo que conta piadas madrugada a dentro. quero ser cremado, é fato! trauma do barulho da pá na terra e a terra caindo no caixão, pra mim eis o momento mais deprimente!

Gustavo said...

ah, eu não gosto da morte, mas é a única coisa que eu tenho certeza nessa maldita vida, que vai acontecer
haha, eu morro de medo do futuro, falei!
ah, e quem me dera se a minha vez tivesse sido daquele jeito, eu amo esse mundo da fantasia, tudo que tem lá, sai da minha cabeça, como quem sabe eu gostaria que as coisas fossem. Meu blog não tem definitivamente nada a ver com um prórpio retraro meu :~

StéfanO Kut said...

EU TBM DETESTO velórios..suhahs
acho q a morte naõ deveria existir...a gente podia ir subindo de nivel até..sei lá onde....e depois voltar ou reencarnar(ouww imaginação meu Deus)...rsrs...cara eu tava passando achei massa seu post viu..resolvi comentar...abração flws..e parabéns, vc escreve mó bem!!!
t+++
^^

FOXX said...

minha experiencia é exatamente o contrário, tenho familiares mto jovens

- Peter said...

Desculpa, mas eu não li. :S
Já passei por ela e não gosto muito de pensar.

Pupo said...

Vc escreveu: "Prometo comprar uma sunga se tu escrever mais! haha
Brincando!"

Em 20/01/09 00:46

E eu só vi agora!


Beleza, escrevo muito mais então! XD

Rafael Morello said...

A morte me dá uma urgência, às vezes muito forte, diante da vida e uma sensação ruim de cronômetro disparado. Se a vida é louca é por causa da morte. Boa corrida para vc! Bj

Alberto Pereira Jr. said...

vida e morte não são antagônicos.. são continuações da existência.. é esperado, corriqueiro nem um pouco...

querido de dei o selo "Que Blog Maneiro", pega la no Zapping News

beijo