Monday, September 22, 2014

First, let me take a selfie.

A selfie do Oscar foi a imagem mais compartilhada na história do twitter. 

Criticada por muitos, amada por muitos mais e muito incompreendida, a selfie é a expressão máxima da geração atual. Sim, os jovens são "egocêntricos e vaidosos", mas, até quando isso é uma coisa ruim?

Eu particularmente sou apaixonado por selfies! Amo fazer e ver.

 O termo "selfie" é uma abreviação / apelido carinhoso para "self portrait" ou, tirar uma foto de si mesmo, o que antigamente era muito difícil, caro e desnecessário , (sou dos tempos da máquina de filme) imagine gastar uma das 22 poses com uma foto de si mesmo que podia simplesmente ficar uma bosta. Impensável! 

 Mas então vieram as máquinas digitais e você tinha a possibilidade de apagar as fotos, então por que não arriscar umazinha de você mesmo? Quando os celulares começaram a vir com câmera, todos os momentos passaram a ser registrados em tempo real, para melhorar a vida dos adeptos do auto retrato, veio a inovação da câmera frontal, dai em diante a selfie virou uma febre mundial. 


Até o pontífice se rendeu. 
Há quem odeie. Tem quem tire onda de quem faz pose sexy com frase de auto ajuda. Nada contra, acho o máximo! Vejo a selfie como uma expressão de amor próprio e superação, algo que combina certinho com um belo desejo de "bom dia". Há quem diga que é algo vazio, que é muito egocentrismo, não deixa de ser um lado da história, mas não é bem assim. 

 A selfie apareceu para mim num momento inusitado. Meu psicólogo (sim) me recomendou que eu tirasse fotos de mim mesmo e achasse "ângulos e características" que gostasse, como forma de vencer os meu problemas com imagem. Sempre tive muitos. Ex gordinho de óculos, com cabelo desgrenhado e orelhas de abano, no tempo que todo mundo na Malhação era super saradinho e jamais teve problemas de visão ou um dente torto sequer,  sofri o bullying que o diabo amassou na época do colégio. Demorei para aceitar que eu poderia e deveria me achar bonito. Nem preciso dizer que funcionou, né? Hoje sou rei das selfies, ousadas até! Com frase de auto ajuda SIM, afinal, não sou obrigado a ir na onda dos outros. Mais do que isso, depois das fotos, me sinto mais motivado para malhar e me cuidar, por mais idiota que isso possa soar. 
Dilma e a "Rousselfie".

 Essa pra mim é a graça da coisa; o auto retrato possibilita um mundo onde todos somos lindos e temos o direito de ser. Quando eu era mais novo não era assim. Só tinha foto quem podia; os populares do colégio, as patricinhas riquíssimas (minha adolescência foi um filme de sessão da tarde) e é por isso que eu amo tanto: A selfie é democrática! Tem para a gordinha, tem para a sarada, tem para o bear e para o magrinho, para a coroa e para a novinha, esse tipo de foto ajuda na luta contra os padrões estéticos impostos pela mídia. Quando você olha para você mesmo e define, sem importar o seu tamanho, sua barriquinha, sua cor  define que está bom é um ato de coragem.
Todo mundo pode (e deve) fazer! É uma auto afirmação. É se colocar no mundo como protagonista da sua própria vida, sem medo de ser feliz. Exatamente como deve ser. 

1 comment:

Jarbas Ribeiro said...

Sou sincero em dizer que nunca tinha tinha pensando na selfie dessa maneira, me fez pensar muito.