Friday, December 19, 2008

Verde rugoso.

Músicas distantes aparecem de todos os lugares. A bandinha da igreja anuncia a chegada do natal na rua da frente; um saxofonista solitário ensaia um solo na varanda do prédio de trás; eu e meu ipod caminhamos pela praia e a ponta verde inteira tem o cheiro verde rugoso de maconha prensada.
Ando em direção ao nada e resolvo que chorar copiosamente ao som de “miss you love” não parece nada embaraçoso. Só depois de perceber que eu que fiz a playlist é que tomo conta de que Steve Jobs não me ama.
É bom fazer coisas que estávamos adiando há algum tempo, como, por exemplo, aparar os pentelhos. Eu sou meio obcecado com os pêlos do meu corpo e não de uma forma legal e saudável. Eu simplesmente os acho feios e os vigio de perto. “Better the enemy we know”.
Aquela praça tem um cheiro de maconha do caralho. Vou em direção a minha casa pensando em aniquilar os meu pentelhos quando me deparo com um amigo de longa data e paramos para conversar.
Estranho como cinco anos não te fazem nada. Eu ainda estou solteiro, eu ainda estou estudando, eu ainda estou mais magro do que nunca e eu ainda tenho que aparar meus pelos pubianos urgentemente.
O cara me apresenta a galera dele e me oferece um taco. Só então eu paro para perceber as dimensões que a droga vem tomando sobre a elite classista e burra de Alagoas. Todos fumam maconha em praças publicas ao lado de super mercados e ninguém comenta nada.
Aceito.
Logo, a classe média alta começa a falar sobre os problemas que os afligem e como o ultimo show da Ivete Sangalo não foi tão bom assim. Incrível como cinco anos não mudam nada.
Depois do ultimo tapa, já queimando a ponta dos dedos, resolvo ir pra casa raspar os pentelhos do saco. No meio do caminho resolvo tomar uma cerveja numa barraquinha qualquer. Não devia. No ultimo fim de semana a minha dieta consistiu em mil cervejas e alguns ínfimos caldinhos de feijão, meu estomago anda revirando pelos cantos.
Meu Ipod vai de Alexi Murdoch, minha mais nova descoberta, super bom, peço a ceva e bebo ela em pé mesmo. Vou contando a quantidade de pessoas sem barrigas e suadas que passam na minha frente. Estranho como as pessoas correm por ai sem nada as perseguindo. As pessoas correm de um futuro barrigudo e cheio de colesterol. Eu bebo cerveja pra caralho. Meu estomago dá um nó no primeiro gole. Resolvo não ceder e viro um copo cheio, bebo o outro copo devagar enquanto observo as outras pessoas correndo de seus futuros miseráveis; já que não vamos ser felizes nunca que ao menos não tenhamos barriga.
Socos no estomago cada vez piores a cada gole. Hora de voltar pra casa. Pago a porra da cerveja e vou caminhando rapidamente com The Rapture topado, paro num cantinho e vomito. Eu sabia que não devia ter bebido.
Chego em casa e tomo um banho gelado com uma gilete na mão. E a vida é só isso mesmo. Um compromisso ridículo que você marcou com o seu saco.

15 comments:

Pupo said...

Gostei do texto!

alvarêz drewïzqe said...

haha, é assim, a vida nos coloca nesses rumos e pelo meio do caminho fica a sensação de que no final das contas nada existe.

Rajeik said...

Moço,eu nunca havia entrado aqui,mas te conheci atraves de links de outros blogs.
O que chamou atenção em primeiro lugar foi sua foto,logo imaginei que tu era meio doidão,porque eu acho muito legal gente doida =P
[desculpa se ofender,ok?]
E sobre o posto,muito bacana,traçamos as mesmas metas sempre e no fim do que vale?
É isso,grande abraço!

invisible said...

continue escrevendo...vc tá muito improdutivo...é o alcool? se for vale a pena...tenho saudades e um pouco de culpa.

invisible said...

acheio verde rugoso ótimo!!!!

Beto said...

Eu já disse a mim mesmo:
- Mim mesmo! vc não pode beber desse jeito!!!
Mas não dá! eu brigo comigo mesmo!

Rafael Morello said...

Cara, até a tua acidez (e não tô falando a do teu estômago)é do caralho! Puta texto. Eu tb tenho que, urgentemente, aparar os pentelhos. E outras coisas idiotas e necessárias. Bj

Alan... said...

As malditas "metas" e os pequenos compromissos... Nunca saquei qual é a grande diferença que os separa por graus de grandeza. E sim, eu também tenho uma séria obsessão com meus pêlos também. Infelizmente, minha genética não ajuda muito.

Adoro sua acidez...


Abs!

Zek said...

Que isso, se nao fosse o compromisso do meu pai com o saco dele de repente eu nem estaria aqui rsrsrssr.


Ho ho ho

Que na bagagem do bom velhinho venha além de presentes materiais muita paz, amor e alegrias indispensáveis o ano todo..
Que venha muitas pessoas de presente, para você receber e se dar , e que de presente você aprenda a compartilhar.

Feliz Natal!!!!

obrigado pela presença constante no meu cantinho, ainda que virtual
Beijos

Alberto Pereira Jr. said...

mais uma vez adorei o texto!
eu tb tenho problemas com meus pêlos.. não gosto!
tb tenho problemas com minha barriga inexistente.. mas só o fato dela poder se tornar real me aflige!

nunca fumei maconha, nem provei nenhum outro tipo de droga, que não seja cigarro e álcool.. continuo com o álcool.. socialmente, é claro

Gustavo said...

nossa, você não tem noção de como eu concordo com 100% disso!
eu me sinto bem assim ás vezes também, tá, sempre D:
eu gosto da sua escrita!
ah e eu também adoro "miss you love" (do silverchair?) ah, vai saber
mas enfins, adorei! *-*

- Peter said...

Steve Jobs não te ama. Supere. rsrr

Uillow said...

Eu tb sou super encanado com os pêlos do meu saco. Eu depilo 1 vez a cada 2 semanas. Se passar disso, já me dá uma puta agonia. Aí já viu... HAUAHU!

Feliz Ano Novo! :¬)

Rafaew said...

Eu gosto tanto desses textos! :D
É verdade, as nem sempre as precisoes dão certo!
Nem lembro as que tinha feito pra 2008
mas, agora que tenho o blog, posso rever meu arquivo!

Dezembro do ano que vem estarei aqui de novo, ver se elas estão ok!

Bom ano novo pra ti!
um abraço

Tiago said...

E a vida nos conduz a vários rumos..
Caminhos..
Destinos..
Mas, no final sempre, nos deparamos com a nossa realidade, nua e crua né?

Feliz 2009 meu caro!